Mestres da Cultura Popular são professores em universidades públicas brasileiras

Projeto ‘Encontro de Saberes’ promove integração entre culturas tradicionais e a cultura acadêmica.   Eduardo Sejanes Cezimbra Levar para dentro das universidade públicas brasileir…

Fonte: Mestres da Cultura Popular são professores em universidades públicas brasileiras

Anúncios

Mestres da Cultura Popular são professores em universidades públicas brasileiras

Ecologia dos Saberes

Projeto ‘Encontro de Saberes’ promove integração entre culturas tradicionais e a cultura acadêmica.diversidade

Eduardo Sejanes Cezimbra

Levar para dentro das universidade públicas brasileiras pessoas do povo para ensinar os saberes tradicionais de suas respectivas culturas, é o que propõe o projeto ‘Encontro de Saberes’, coordenado pelo prof. e antropólogo, José Jorge de Carvalho, da Universidade de Brasília – UnB.

O projeto ‘Encontro de Saberes’ é uma ousada proposta de apresentar aos estudantes universitários os saberes e práticas populares através de mestres e mestras em todas as áreas de conhecimento (arte, cosmologia, espiritualidade, meio ambiente, psicologia, saúde, tecnologia), como forma de reconhecimento do valor destes saberes.

Tudo começou com a criação de uma disciplina que faz parte da grade regular no curso de graduação do Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília. O curso “Encontro de Saberes: Artes e Ofícios dos Mestres Tradicionais” já teve quatro edições, contando com 200 estudantes…

Ver o post original 246 mais palavras

HISTÓRIAS ENCANTADAS DO MAR

“Histórias Encantadas do Mar” é uma vivência de música e literatura oral que já percorreu museus, jardins, escolas e agora vai ser a nossa trilha griô em Niterói – RJ. Uma vivência mediada pela contação de histórias, os livros e as musicalidades afro-pernambucanas (cirandas, samba de coco, maracatus, jambes, Kalimbas) que se enredam com as mitologias africanas e indígenas sobre os seres das águas e do mar. Em 2016 ,  estamos ampliando essa vivência de contação de histórias  junto aos mestres  das comunidades tradicionais de pescadores de Itaipu e o museu arqueológico de Itaipu!

IEMANJÁ

 

 

 

Segue a trilha.. Ouçam a voz dos griots!
Mais informações: adriana.edugrio@gmail.com

I encontro de Saberes Roda de Rima e Educação Griot

Previsto para o segundo semestre de 2016, o encontro pretende abordar temáticas com sobre a história do Hip Hop no Brasil e suas interfaces com outras expressões afro-brasileiras.

O tema da primeira edição será Música, Ancestralidade e Gestão cultural do Conhecimento.

O  encontro prevê a realização de oficinas e vivências que abordem temas como cultura e mercado, redes colaborativas de gestão cultural, história da música afro-brasileira protagonismo feminino no Hip Hop,   entre outros.

marco 2016 238 marco 2016 236

 

Sugira seu tema, participe!

Todos os temas estão sendo construídos a partir de questões e diálogos com  representantes da comunidade Hip Hop no Rio de Janeiro.

Envie sua sugestão  para: adriana.edugrio@gmail.com

 

Realização:

Voluntários da Rede Educação Griot- Rede de Valorização dos saberes  africanos e indígenas; Grupo de formação do Fórum independente de Educação e Cultura/Museu Escola Griot – Semente de Jurema

MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE LUTA FEMINISTA

Com muito orgulho, compartilho publicação de artigo “A música como instrumento de luta feminista” de Leon Lucius de Holanda Continentino, 19 anos, estudante de Jornalismo do Instituo de Arte e Comunicação Social da UFF, membro da comunidade  afro-pernambucana Jurema Sagrada.

 

MABU

Se é para deixar um legado de luta e resistência que comecemos em nossa vidas e na nossa casa!
Confira no link abaixo:
lEON

Museu-Escola Griot compõem projetos doDoutorado em Memória Social

DSC00219

É com muita alegria que compartilho essa conquista:

O PROJETO DE CONSTITUIÇÃO DO MUSEU-ESCOLA GRIOT,
através da disseminação e preservação do patrimônio cultural musical  de comunidades afro-pernambucanas (PE-RJ),
foi selecionado e aprovado para o DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEMÓRIA SOCIAL DA UNIRIO.
Agradeço a todos que de uma forma ou outra são doadores de afetos, saberes e raízes da Rede Educação Griot/Semente de Jurema. E a todas as mestras e mestres da cultura afro-brasileira que insistem em resistir-existir!

eu e minha mestra griot

Que nosso museu-escola possa ser feito de todos os tons,sons, cores, saberes e fazeres da memória viva de nossos ancestrais africanos e indígenas.
3964d-dsc06630mestras griô Mãe Dada, Lia de Itamarca, Baraxos e Baiana (PE)
Gratidão à aldeia sagrada dos  Índios Tupinambas e do Quilombo Maria Conga (in Memorian) da Cidade de Magé- RJ
Muita gratidão  à Lillian Pacheco pela pedagogia griô e a minha eterna mestra griô, amiga, mãe Yá Talabi Deyn (Mãe Dada de Oxalá – In Memorian) que me ensinou o amor as folhas, ao axé e ao respeito a sabedoria suprema dos princípios sagrados da natureza viva dentro de nós (os orixás)..

 

Arte, Feminino e Negrituden – Narrativas

 

 

 

 

negras em cena

 

XIII Semana Afro na rede pública do Estado.
Depoimento da professora Claudia:
 “Ainda bem que tenho grandes amigas! Foi lindo demais hoje! Minha gratidão as atrizes Cátia Costa, Roberta Valente,  Griot aprendiz  Adriana de Holanda. A escola tremeu! Vamos lá gente, amigos trazem mais força ao Projeto. E eu fico muito, mais muito feliz mesmo com o Movimento Mulheres negras em cena!”
E das conversas com meu legado:
Meu filho me disse esses dias: – “Mãe, mas você é branca.. O pessoal da cultura negra vai te atacar por isso”.. e daí fiquei pensando: “a luta não deveria ser pelo que nos separa homens e mulheres, pretos, índios e brancos, crianças e velhos” mas deveríamos lutar pelo que nos une e atacar quem nos segrega.. chega de escravidão mental!
Escreva para nós.. Compartilhe sua visão sobre a arte das mulheres  e em suas expressões  ancestrais!
adriana.edugrio@gmail.com

Escola de Formação em Cultura e Saúde