MÚSICA E EDUCAÇÃO GRIÔ: encerramento do primeiro ciclo de vivências

Nesta quinta-feira, dia 28 de março, a griô aprendiz Adriana de Holanda faz a mediação do último encontro dessa etapa do projeto que foi apoiado pelo Pontão de Cultura Digital da ECO-UFRJ.

Este quinto encontro traz a força bélica-poética-estética da  história de resistência cultural através do REP com Gaspar Záfrica- Brasil (São Paulo), as experiências pedagógicas do professor Abrahão Santos, que foi o pioneiro em curso de Psicologia a lançou/destacou a importância das mitologias  africanas dos orixás como processo fundamental para a formação dos estudantes e também  a equipe de coordenadores do NEED(Núcleo de Educação Étnico-Racial  da Faculdade de Macaé-RJ) que já realizou diversos cursos, destinados a educadores de escolas públicas,  voltados para a implementação da lei 10.639/03  sobre a obrigatoriedade do ensino de história da cultura afro-brasileira

Um dos objetivos dos encontros e do projeto é favorecer um espaço de mediação dialógica entre ações/intervenções de música e educação que atuem na valorização da diversidade étnica e cultural de matriz afro-indígena.

O encerramento dos encontros acontece dia 28/03 às 14h, na Praia do Instituto de Arte  e Comunicação Social (IACS) da UFF, em Niterói – RJ.

O evento é gratuito e aberto a toda a comunidade.
Mais informações sobre o projeto na página MÚSICA E EDUCAÇÃO GRIÔ  deste blog ou pelo e-mail: adriana.edugrio@gmail.com

Anúncios

Mitologia Africana e REP – Quando a música venceu a morte!

                             
Esse é um texto de despedida e de boas vindas…





Gaspar Záfrica Brasil (SP)









Despedida de um bloco de encontros que se forjaram nos jardins secretos da Escola de Comunicação e Cultura da UFRJ. E de boas vindas, a todas as vozes, saberes, fazeres que se conectaram e que nos impeliram a continuar a caminhada e a fazer circular informação junto com reflexão e ação… Boas vindas aos novos encontros que virão, nas escolas, nas ruas, nas rádios universitárias, nas vídeo-aulas que estão sendo produzidas.

 Boas vindas aos encontros das mensagens que chegarão nas mentes dos estudantes, educadores e músicos.

No último encontro, realizado  na CASA GRIÔ – Niterói /RJ, se forjaram as estratégias para a construção do Museu-Escola Griô e de sugestões coletivas para a sistematização de ações de música e de educação, como um caminho tecido tanto por educadores e estudantes como  por músicos.

A  partir da contação do mito Yorubá “Os Ibejis Enganam a Morte”, inciamos  nossa vivência, ou como diria Gaspar um “laboratório de experimentações” em música  e educação, através de leituras, escritas,  memórias, silêncios, dizeres e formas de resistência que se desenharam coletivamente na força encantadora da música.

Mcs, educadores, professores e estudantes ouvindo e contando histórias na Biblioteca Comunitária da Casa Griô.

Os sentidos despertados pelo mito contado pelo Prof. Dr. Abrahão Santos (do Laboratório de Pesquisa em Subjetividade e Cultura Afro-Brasileira) nos falou da importância da música vencendo a morte! Da sabedoria africana fundada nos mitos das suas comunidades tradicionais, tecemos redes de pensamentos na busca por trilhar ações que nos convocam a  uma luta lúdica, cantante, dançante,  contra todas as forças mortificadoras através da força criadora de vida que vem da arte da música.


Na poesia e na rima do nosso mestre, o Repper Gaspar, ouvimos a voz de um saber ancestral que nos liga em África, no percusso do movimento Hip Hop no Brasil e no mundo. Gaspar é autor de diversos livros e de ações de intervenções sociais na busca da valorização da cultura de matriz africana e do respeito à diversidade das culturas de todos os povos.

Prof. Abrahão foi um dos responsáveis pela implementação da primeira disciplina do curso de graduação em Psicologia (UFF) que ousou introduzir  os saberes das mitologias africanas como fonte de conhecimento para formação dos estudantes universitários.

O fechamento desse ciclo de encontros, mais que especial, ainda é indescritível, creio que para  todos nós, que nos dispusemos a pensar nossos fazeres coletivamente. Mas, certamente, a lição foi luminosa: a força da música pode vencer a morte, o extermínio étnico-cultural, as nossas distâncias, nossos medos, nossas covardias, nossas armadilhas…. A força lúdica da música é bélica…

Gratidão Gaspar! Ilícito, poético, ético, generoso… Te  aguardamos para colocar o plano em ação: ocupação musical das escolas.
Gratidão querido Abrahão, estamos juntos nessa construção ética do fazer pesquisa e educação como instrumento de luta e intervenção social… Gratidão pela história dos “Ibejis” e  pelo apoio a termos na Casa Griô um espaço de resistência-insistência!

Das vivências desse encontro está sendo finalizada uma vídeo-aula, com o título: “Mitologia Africana e REP – Quando a música venceu a morte”.

O Lançamento das vídeos-aulas Música e Educação (ciclo I) está previsto para julho de 2013.

O primeiro ciclo de Oficinas do projeto MÚSICA E EDUCAÇÃO GRIÔ teve o apoio do Pontão de Cultura Digital da Escola de Comunicação da UFRJ.

Realização: Rede Independente Educação Griô

Coordenação/mediação: Adriana de Holanda
Concepção e elaboração do projeto: Priscila Faria e Adriana de Holanda

Expedição Cultural Griô Aprendiz

Como parte das atividades do projeto GRIO APRENDIZ  da Rede Educação Griô, serão realizadas no próximo dia 03 de março de 2013 (domingo) , às 15h – Roda de Leitura na Biblioteca Comunitária Griô e  andanças e danças no Show de Lia de Itamarcá. O show começa às 19:30h.

show Lia de Itamaracá – Mestra Griô da Rede de Tradição Oral do MinC

As vivências e rodas de leitura são gratuitas e abertas a toda a comunidade. É só seguir a trilha griô e coletivizar-se, ancestralizar-se…
o show de Lia  tem meia entrada a R$ 10,00 no Centro cultural da Caixa – RJ

  

Mais informações:
adriana.edugrio@gmail.com