Dicas Educacionais / Selo de Educação para a Igualdade Racial 2010

Selo de Educação para a Igualdade Racial 2010

O selo é um reconhecimento e valorização das práticas pedagógicas que valorizem a diversidade étnica. Para maiores informações , acesse:
http://www.portaldaigualdade.gov.br/selo-de-educacao-para-a-igualdade-racial-2010

Anúncios

Ponto de Cultura GINGAS e representantes da Ação Griô do Ministério da Cultura participam da III Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa

No ano de 2010, pela primeira vez, a Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa, realizada na orla de Copacabana contou com uma coordenação cultural que desenhou um brilho especial nesta grande concentração coletiva em prol da liberdade religiosa.
A Coordenação de Cultura da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa é composta por Pedro Bulhões (Produção Cultural) David Bassous (Prêmio Tuxaua – MinC) e Adriana de Holanda (Griô aprendiz MinC), todos vinculados ao Ponto de Cultura GINGAS- Casa da Cultura Afro-Brasileira, Niterói-RJ e à CCIR. Além destes, a coordenação conta com a participação de Jorge Damião do CEAP – Centro de Articulação de Populações Marginalizadas.

foto-1-apresentacao-cultural-4

Participaram das apresentações culturais cerca de 12 atrações de diversas partes do Estado do Rio de Janeiro, incluindo a cantora Rita Ribeiro com seu show Tecnomacumba e o Olodum da Bahia, que se apresentaram nos trios elétricos. No solo, formou-se uma grande roda cultural em homenagem a luta pela liberdade de expressão religiosa, que contou com a participação de afoxés, sambistas, capoeiristas e grupos de danças como o Muanzá Mesú da cidade de Niterói e da “arte-grafite” de Bilson-RJ.

foto-9-apresentacoes-cultruais

O Ponto de Cultura GINGAS, a Coordenação de Cultura da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa em articulação com a Coordenação da Ação Griô Nacional e a Coordenação da Ação Griô Regional do Rio de Janeiro, também mobilizaram assinaturas para “Lei Griô” e trouxeram para a avenida, Mestres e Griôs aprendizes do Jongo da Serrinha, das Tradições Orais da Jurema Pernambucana -GINGAS, do Centro Cultural Cartola, do Centro Lúdico da Rocinha e do Ponto de Cultura Pretos Novos.

foto-15-estudante-com-a-bandeira-grio     foto-17-gingas-e-coordenacao-nacional-da-acao-grio

Destacamos todo o trabalho de articulação realizada pelo coletivo Nação Liberdade junto ao povo de terreiro e aos Pontos de Cultura do Estado do Rio de Janeiro. A proposta de efetivação da Nação Liberdade recebeu o Prêmio Tuxaua do MinC e com certeza traz à tona a necessidade de articular a liberdade de expressão cultural junto à luta pela liberdade religiosa. Neste coletivo, agradecemos a presença do Sr. dos conselheiros de cultura de Niterói Rita Diir e José Ballock, além de Jorge Zulu e Jair-Ogãn, representantes de terreiro de Candomblé em Niterói.

foto-26-reunioes-do-nacao-liberdade-em-initeroi-rj  foto-37-atabaques-da-viradouro-escola-de-samba-de-niteroi

O Ponto de Cultura GINGAS e a Coordenação de Cultura da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa estão produzindo um relatório da III Caminhada em Defesa da liberdade Religiosa em que abordaram diversos aspectos sobre a importância do evento bem como da causa que o torna necessário e as contribuições da arte e da cultura para a realização de intervenções na sociedade de modo reflexivo e crítico.

foto-27-grupos-culturais

Deixamos registrado aqui nosso agradecimento especial a Jorge Matoso, Carlos Rubin Mãe Fátima, Jorge Damião, Marcelo Reis e Marcelo Santos, Edilene Tavares e Ivanir dos Santos (Interlocutor da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa) e todos os companheiros da comissão por nos oportunizar o exercício da cidadania através da cultura e do respeito aos direitos humanos. Agradecemos aos companheiros de luta cultural – todos os 20 voluntários de produção cultural, aos grupos e artistas que fizeram da orla de Copacabana o palco da diversidade cultural e religiosa do nosso país… Obrigada pelo exercício da cultura de paz!

Para ver mais fotos acesse: http://www.gingas.org.br/

Poesia e saber

” Tudo o que os livros me ensinassem
Os espinheiros já me ensinaram
Tudo que nos livros
Eu aprendesse
Nos livros eu aprendera.
O saber não vem das fontes?

Sou construtor menor
Os raminhos que arrumo
As escoras do meu ninho
São mais firmes que as paredes do mundo.

Eu queria aprender
O idioma das árvores
Saber as canções do vento
Nas folhas da tarde.
Eu queria apalpar os perfumes do sol”.

(Manuel de Barros)