Alfabetização Griô

divulgação aula alfabetização15 07

A Escola Semente de Jurema realiza de julho a dezembro de 2017 o primeiro curso de alfabetização para jovens e adultos, baseado nos princípios da pedagogia griô. O ensino da língua aliada à disseminação da memória dos saberes,  da arte e cultura popular brasileira  demarca a experimentação pedagógica do aprender e do ensinar como processos de memória social. Aprender a tecer a oralidade e a escrita é mais que aprender um código é reconhecer o legado de sentidos de histórias e saberes que os diversos povos nos deixaram como herança cultural.

O programa de “Alfabetização Griô de Jovens e Adultos” é composto de:

  • Aulas de alfabetização: aula de alfabetização baseada na pedagogia griô e na disseminação da memória dos  saberes dos mestres da cultura popular  para ensino da língua e culturas brasileiras;
  • Cursos de capacitação em saberes culturais e educação: apresentação dos princípios da pedagogia griô voltados para desenvolvimento de práticas, técnicas e tecnologias educacionais favorecedores do aprendizado da linguagem escrita e oral, assim  como dos patrimônios culturais imateriais da tradição oral, presente na sabedoria popular dos mestres e comunidades tradicionais da cultura brasileira.

As aulas de alfabetização são gratuitas e  ocorrerão aos sábados às 13:30h.  O curso de capacitação  está  previsto  para maio de 2018.

Endereço: Rua das Aroeiras 38/quadra 11 – Engenho do Mato, Niterói – RJ

Inscrições gratuitas!

contatos: escola.sementedejurema@gmail.com /  (21) 967364819

 

Coordenação:

Adriana de Holanda (Griô Aprendiz /Ação Griô Nacional/ Pesquisadora em Memória UNIRIO)

Professoras:

Ana Lucia Mayor (Educadora em Saúde/FIOCRUZ)  e Caroline Freitas (Pedagoga)

Assessoria de comunicação e cultura: Leon Lucius H. Continentino (Jornalismo UFF)

Pedagogia griô:  Lillian Pacheco e Márcio Caires (Lençois – Bahia)- Ação griô Nacional

Escola Semente de Jurema é um espaço independente de formação em cultura e saúde. As atividades são mantidas por uma rede de voluntários e doadores de afetos, saberes e raízes.

Anúncios

“Aborto – perspectivas nos campos da Saúde e da Diversidade Religiosa”

 

unnamed

“Aborto – perspectivas nos campos da Saúde e da Diversidade Religiosa” será realizado no dia 27 de abril de 2017, às 13 horas, no auditório do IFRJ campus Duque de Caxias.

O debate foi solicitado pelo movimento estudantil a partir do interesse em aprofundar o tema do aborto e suas diferentes interpretações na cultura brasileira.

Convidados:

Cláudia Araújo – Pedagoga, Doutora em Saúde Pública e Professora da UFMS (mediadora)
Rejane Santos Farias- Assistente Social, mestre em Serviço Social membro do Grupo Técnico de Prevenção a Violência da SES-RJ e do Grupo de Trabalho sobre Aborto do Fórum Perinatal da Região Metropolitana I.
Adriana Holanda – Mestre em Psicologia UFF, Especialista em Comunicação e Saúde – FIOCRUZ, Doutoranda em Memória Social Unirio; Coordenadora da Escola Semente de Jurema. Sacerdotisa e Zeladora da Casa de Jurema Sagrada e do culto ao Ancestral Nagô (Pernambuco – RJ)
Francisco Nery- Pastor, Professor Universitário e Chefe do Departamento da Ordem dos Ministros Evangélicos
Jorge Luis Francisca Medeiros – Professor, Mestre em Ciências e Coordenador da Área de educação 17 CEU/ CEERJ (Conselho Espírita de Unificação)

 

Vivência Griô: “Fulorou..Semente de Jurema”

ervas-medicinais-uff

Quinta, 17 de novembro de 2016. Ao cair do sol  no mar, chamamos Caipora e  a ciência da Jurema..- “Jurema mãe, árvore rainha, me dê licença pra falar em teu nome! Tua sabedoria tão grande, que está aqui antes de nós… Me dê licença pra pisar o chão dos índios, que chegaram aqui antes de nós e  eu te agradeço por guiar minha voz..”

Logo os  ventos se  animaram a dançar… ouvindo o som do maraca  e nossa voz a silenciar. Ouvimos o vento chegar para dançar… E o vento trouxe as histórias ancestrais de minha mãe , de minha avó, bisavó, tataravó…  Até que chegamos! O quilombo.. ouvimos  Malungos a cantar… Bem escondidinhos, em suas cabanas de folhas… a espreitar o caminho, a olhar com seus olhos de vigília..  o cuidado de quem ama e luta.  E pedi: – “Ajudem a salvar das armadilhas! Protejam nosso caminho,  amigos… Nos guardem dos perigos, do inimigo que mora dentro de mim, da feia e cruel armadilha do egoísmo, da vaidade, da ganância da ignorância, das violências das disputas  tolas que nossos feitores nos fazem  cegos: liberte o perdão”…

E assim, tomados pelo elo da roda das memórias e do ritual do contador de histórias…  nos fizemos um só, em sentido anti-horário, lado esquerdo do peito  para o centro da roda, para o centro da terra, para o centro da vida,… Nosso céu era agora o centro da terra. E o povo índio e preto dançou junto o encontro da luta pela vida.

O toré começou… e a tribo dançou junta.. na pisada,  sentir o chão,ocupar a terra,  chamar nossos ancestrais no chão que pisamos. E  assim cheios de uma grande alegria… começamos a bater as palmas,  a tirar de dentro delas, das linhas de nossas mãos os  caminhos para fluir os acúmulos de dor, de medo, de operações tecnológicas.. Descarregamos afetos ao bater das mãos, provocamos a circulação do sangue a transformar a energia parada em som… música ancestral.

os masculinos (sem cabaça) ao centro da roda, as mulheres protegendo, acolhendo, abrigando..Era a fecundação… Estávamos grávidos de folhas e águas…  A semente na água! E aí o tempo virou, homens protegendo o círculo, mulheres ao centro fazendo crescer, dando a vida, embalando as águas,  as folhas unidas, as mãos amparando, a saliva na voz, o canto da plenitude.. transformando o princípio das águas e o princípio das folhas,  em uma outra vida: água filha das folhas…. Filhas das mãos que  semearam a energia que vem do coração.

Aprendi com minha mãe: _ “Só o amor é sábio o bastante para tocar a magia das folhas”

(Texto: “fulorou” por Adriana de Holanda,Para Dandara.. uma das meninas de 8 anos que participou da vivência. Ao se despedir disse no olhar gratidão por esse dia… E foi para rua vender suas balas para comprar seu alimento)

Roteiro da vivência:

  1. sensibilização😮 ritual do contador de histórias: histórias das mulheres, histórias de árvores. Ocupar a terra, a roda, gratidão ao tempo espiral, que retorna o mesmo tempo e nos oferece a possibilidade de transformação do que já foi, a mão que faz o sacrifício das folhas é a mão do coração, a magia da cura pela plantas está nas mãos do cuidador. O desejo da cura como processo de felicidade como  forma de desestabilizar as doenças que nos  ofertamos por acumulo de sentimentos negativos. Jurema. Quilombo. Ancestralidade indígena.
  2. desenvolvimento:  o ritual da roda –  a música conta histórias, o toré, o coco, o afoxé… Caipora – guardiã da floresta e Aroni, o ser que guarda o segredo de todas as folhas se encontraram no Brasil. Mitologias africanas e indígenas. O amor entre a árvore e as águas como princípios filosóficos na  cosmo-visão dos povos tradicionais afro-brasileiros.  O círculo sagrado da vida, princípios masculinos e femininos, a roda da cabaça. A fecundação. A criação da vida.
  3. Finalização: cantos da despedida. O toré. O  cuidar coletivo. Todos se cuidam com as águas das folhas.. O abraço coletivo desfazendo o círculo . O estar em roda como estado ancestral. cantiga de despedida.  O compartilhar de memórias e sentimentos que a roda despertou.

Dados da vivência:

Ocupação Preta da Universidade federal Fluminense- Niterói, RJ.

duração: 2 horas. / metodologia: pedagogia griô

Mediadora: Adriana de Holanda (psicóloga, Griô Aprendiz)

Resumo: Nossa vivência propunha um espaço-tempo  de experimentações em cultura e saúde a partir  da sabedoria das  folhas, árvores e florestas. A disseminação da  memória ancestral  do encontro do povo índio e preto de  África, o quilombo do Catucá, Reis Malunguinhos – Nordeste brasileiro.   Memórias de Cultura e Saúde na ancestralidade indígena da Jurema.

contato: adriana.edugrio@gmail.com

Vivência Griot: ciranda de memórias

Vivência Griô

 

Nesta quarta 09/11/2016 o  grupo Semente de Jurema  realizou a  vivência griot regida pela griô aprendiz Adriana de Holanda e  participação da rabeca de  Marlon Cardozo.
Por meio das memórias, músicas da cultura popular , teatro e contação de histórias, inscrevemos nos  corpos e nos afetos saberes,  compartilhamos conhecimentos e plantamos sementes para a diversidade cultural.

O respeito é nosso patrimônio!
A atividade contou com apoio da Secretaria Municipal de Educação e Cultura de saquarema.

Disciplina:  Estudos Turísticos ministrada pelo Professor Wangles Avelis/
Escola Municipal Orgé Ferreria dos Santos – Saquarema -RJ

 

Vivência Griô: Cirandas no Mar

 

Vivência griô: cirandas no mar é  uma intervenção em cultura e saúde através da educação ambiental baseada nos princípios da pedagogia griô.

Integra o conjunto de atividades da trilha griot HISTÓRIAS ENCANTADAS DO MAR da Rede Educação Griot – Semente de Jurema

PROGRAMAÇÃO
17:00h: pedagogia griô e saúde – roda de saberes
– Chegança – músicas para despertar o mar 
– Introdução a história social da ciranda no Brasil
– compartilhamento de saberes e princípios da pedagogia griô

18:30h: vivência musical: a ciranda como processo pedagógico
A inseparabilidade da cultura, saúde no processo de ensino e aprendizagem
aprendendo com o corpo – gesto e som na percussão afro-pernambucana

19:00h cirandas ao pôr-do-sol
As águas que nos limpam – roda de despedida
memória e saúde coletiva na ancestralidade indígena e diversidade lúdica dos povos.

Idade: a partir de 05 anos

Músico convidado: percussionista Joás Santos (PE)
Mediação da vivência: Griô Aprendiz e Psicóloga Adriana de Holanda.
Valores de inscrição: R$20,00 ( até dia 28 de outubro)
vagas: 20

Haverá emissão de certificado de participação e apostila com material formativo.

informações/inscrições: adriana.edugrio@gmail.com

obs.: estaremos recolhendo restos de lixos deixados no mar com uma hora de antecedência ao início da atividade, para realização da vivência, na etapa águas que nos limpam.

ponto de encontro: Quiosque ECO_BRASIL (próximo a Lagoa de Itaipu)

Imagem inline 1Imagem inline 2

http://grioapredniz.wordpress.com

Fórum de Educação e Cultura da Escola Semente de Jurema

cortejo iacs crianças

Espaço de construção coletiva da proposta político-pedagógica do Museu-Escola Semente de Jurema da Rede Educação Griot, uma rede de valorização dos saberes africanos e indígenas.
A proposta é que a escola seja auto-sustentável com gestão coletiva de crianças, educadores e artistas oriundos das comunidades afro-brasileiras e seus movimentos sociais.

 Domingo, 10 de julho às 18:00 – 21:00
mais informações: adriana.edugrio@gmail.com
  •  

HISTÓRIAS ENCANTADAS DO MAR

 

 

Entre cantigas de roda, as histórias dos saberes do povo do mar e junto com nossas crianças, ousamos criar um espaço de música e educação ambiental para escolhermos que histórias continuaremos a contar.. dia 29 de maio DE 2016.. Primeira Roda Cultural Griot: Histórias Encantadas do Mar, em Itaipu-RJ.

 

Roda cultural de vivência griot com música, contação de histórias e educação ambiental.. Neste domingo, o ritmo é com a ciranda, coco de roda e maracatu com Joás Santos e Kaike de Holanda, e contação de histórias com a grio aprendiz Adriana de Holanda sobre os saberes e fazeres dos povos africanos e indígenas e sua relação com o mar.
A vivência griot  HISTÓRIAS ENCANTADAS DO MAR  já foi realizada em escolas públicas e museus  de Niterói nos dois últimos anos.  A concepção e formato da roda – vivência no  território do mar e dos pescadores artesanais  marca o início da vivência na praia de Itaipu, em Niterói, RJ – Brasil.

A roda Cultural Griot é uma celebração da comunhão da música com a preservação da natureza por uma educação dos sentidos, dos afetos e dos encontros entre arte e educação, entre crianças e mestres da cultura de diversos segmentos das expressões artísticas…

Produção, criação e organização: Adriana de Holanda
Roteiro e concepção musical: Joás Santos
Refrência: Trilha griô, de Lenços – Bahia – Grãos de Luz e Griô (Lillian Pacheco e Márico Caires)
Apoio: Quiosque Eco-Brasil – Praia de Itaipu, RJ; Brasil.

PROGRAMAÇÃO
15h. Chamada de abertura – músicas para despertar o mar
15;30h. Roda de cirandas
16:00h. as memórias do mar (contação de histórias)
16:30h. cortejo na praia – transformar restos em arte
17:00h Roda de coco e ciranda – músicas para ficar no mar

O evento não conta com patrocínio, pedimos a colaboração livre para participação na atividade .

 

page facebook: https://www.facebook.com/Hist%C3%B3rias-EnCantadas-do-MAR-1031481240269112/?ref=bookmarks

 

 

Mais informações  escreva  para   coordenação do projeto: adriana.edugrio@gmail.com 
 lagoa por Tarso Garbujo

Escola de Formação em Cultura e Saúde